Engenharia de Segurança

O PPRA segue exatamente o observado na Portaria 25 de 24/12/94 da NR-09 e tem no escopo a detecção de riscos ambientais que possam colocar em perigo a integridade física e mental dos colaboradores. Tem caráter prevencionista e fornece subsídios ao PCMSO para que possa determinar o acompanhamento médico necessário para cada Grupo Homogêneo de Exposição (GHE). A nona norma regulamentadora do trabalho, cujo título é “Programa de Prevenção de Riscos Ambientais”, estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte dos empregadores do PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais), consiste em um conjunto de ações relacionados ao ambiente de trabalho, visando antecipar, reconhecer, avaliar e controlar a exposição aos riscos ocupacionais existentes ou que venham a existir nos ambientes de trabalho.

 

O Programa de Gestão de Segurança e Saúde do Trabalho RuralPGSSTR foi criado pela PORTARIA Nº 86, DE 03 DE MARÇO DE 2005, que deu nova redação a Norma Regulamentadora (NR-31), onde estabeleceu a obrigatoriedade da elaboração e implementação deste programa por parte dos empregadores, com objetivo de estabelecer os preceitos a serem observados na organização e no ambiente de trabalho, de forma a tornar compatível o planejamento e o desenvolvimento das atividades da agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal e aquicultura com segurança e saúde e meio ambiente do trabalho rural.                                      

 

A Elaboração do Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção é estabelecido pela NR-18 com diretrizes de ordem administrativa, de planejamento e organização, com o objetivo de implementar procedimentos de aspecto preventivo através de avaliação completa relacionadas às condições de trabalho na construção civil em suas diferentes fases de cada obra específica.

 

 

Trata-se de um laudo técnico elaborado por profissional especializado em segurança do trabalho, feito por estabelecimento, contendo informações com base no levantamento dos riscos existentes, apresentando conclusão do engenheiro de segurança do trabalho responsável pela elaboração, devendo conter informação clara e objetiva a respeito dos agentes nocivos, referente à potencialidade de causar prejuízo à saúde ou à integridade física do trabalhador; O LTCAT classifica as atividades com relação à Insalubridade, Periculosidade e Aposentadoria Especial, tendo como finalidade atender as Instruções Normativas do INSS e as NRs 15 e 16 do Ministério do Trabalho e Emprego.

 

 

 NR-15

NR 15 - Laudo Técnico de Insalubridade

O laudo segue estritamente a Norma Regulamentadora número 15, da Lei nº 6.514 de 22 de dezembro de 1977. Tem como objetivo avaliar as atividades e operações no que diz respeito à salubridade. Através de análises, serão determinadas as atividades insalubres no estabelecimento, ou seja, atividades não saudáveis. A execução desse tipo de atividades garantirá acréscimo salarial de 40%, 20% ou 10% sobre o salário mínimo dos colaboradores que estiverem trabalhando nestas condições.

 

NR-16

NR 16 - Laudo Técnico de Periculosidade

Documento técnico-legal que estabelece se os empregados da empresa têm ou não direito ao recebimento do adicional de periculosidade (30% do salário-base do cargo), em virtude da exposição a explosivos, inflamáveis, eletricidade e radiação ionizante, considerando a Norma Regulamentadora Nº 16 do MTE e Decreto 93.412 de 14/10/1986.

 

 

O PCA – Programa de Conservação auditiva é um conjunto de medidas coordenadas que previnem a instalação ou evolução das perdas auditivas ocupacionais, é um processo contínuo e dinâmico de implantação de rotinas nas empresas. Onde existir o risco para a audição do trabalhador há necessidade de implantação do PCA. O presente documento encontra-se em acordo com a Portaria Nº 19, de 9 de Abril de 1998 do Ministério do Trabalho e Emprego, o qual estabelece a obrigatoriedade da implementação do PCA em todo estabelecimento de trabalho com Níveis de Pressão Sonora Elevados. Os objetivos específicos do PCA são: Melhorar a qualidade de vida do trabalhador; Identificar funcionários com problemas na audição; Diagnosticar precocemente as perdas auditivas; Adequar as empresas às exigências legais; Reduzir custo de insalubridade; Redução de reclamatórias trabalhistas.

 

De acordo com a Portaria número 1 de 11 de Abril de 1994, emitida pelo Ministério do Trabalho, cujo conteúdo estabelece um regulamento técnico sobre uso de equipamentos de proteção respiratória, todo empregador deverá adotar um conjunto de medidas com a finalidade de adequar a utilização de equipamentos de proteção respiratória - EPR, quando necessário para complementar as medidas de proteção eletivas implementadas, ou com a finalidade de garantir uma completa proteção ao trabalhador contra os riscos existentes nos ambientes de trabalho. Programa de Proteção Respiratória O PPR é um conjunto de medidas práticas e administrativas que devem ser adotadas por toda empresa onde for necessário o correto uso de protetores das vias aéreas (respiratórias), e dos funcionários envolvidos em ambientes contendo elementos em suspensão (aerodispersóides, névoas, fumos, radionuclídeos, neblina, fumaça, vapores, gases) que provoquem danos às vias aéreas (pulmão, traquéia, fossas nasais, faringe). 

 

PROJETO DE COMBATE A INCÊNDIO

 

O projeto de proteção e combate a incêndio em uma edificação é de suma importância, haja vista que é através deste, que em um possível incêndio será evitado e, além, em ocorrendo o incêndio, o mesmo poderá ser combatido de forma ideal, obviamente, se o dimensionamento foi realizado seguindo todas as normas do Corpo de Bombeiros Militar do estado de Mato Grosso. O Processo de Segurança Contra Incêndio e Pânico (PSCIP) é o conjunto de documentos que tipificam as características de um sistema proposto de segurança contra incêndio e pânico, constituído por memoriais, planilhas, projetos, armazenagem de produtos perigosos (PP), materiais inflamáveis e outras informações complementares que facilitem a análise global da segurança das edificações, instalações e locais de risco.

 

ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO TRABALHO  

 

Empresa que surge devido à carência do mercado de profissionais qualificados para execução de projetos em regime de parceria e confiabilidade e passa a ter como diferencial o atendimento individualizado a seus clientes com projetos totalmente adaptáveis a suas necessidades. Atuamos para sua empresa, junto a todos os órgãos públicos governamentais, procurando sempre regularizar com a maior brevidade possível sua atividade empresaria, com soluções inovadoras levando-se em consideração sempre a relação custo benefício das atividades desenvolvidas. A PREVENT-MT possui especialização em Engenharia de Segurança em todas as áreas de atuação: comercial, industrial, agronegócio e administrativa. Nossa expertise em atender demandas de empresas de grande porte com filiais em todo território nacional nos permite customizar os serviços para cumprir todas as Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego assim como as necessidades empresariais junto ao INSS e órgãos públicos. PPRA, CIPA, Laudos Técnicos e muito mais. Realizamos orientação técnica em casos judiciais e perícias técnicas judiciais.

 

Oferecemos o serviço de acompanhamento técnico, conforme a necessidade de sua empresa.

 

PGR – NR 22

O Programa de Gerenciamento de Riscos tem como objetivo a prevenção da saúde do trabalhador de empresas mineradoras e afins.

O objetivo principal do P.G.R. é prevenir a ocorrência de acidentes que possam causar danos ao público e ao meio ambiente e reduzir sua severidade, quando um evento desta natureza ocorrer.

O P.G.R. poderá tornar-se, também, uma importante ferramenta para se reduzir custos destinados a reparação de danos, paralisação de produção, indenizações por afastamento parcial/total de funcionários e contratação de apólices de seguros.

O P.G.R. deverá ser implantado em todos os processos que envolvam o manuseio, processos de fabricação, armazenamento como matéria prima, produtos intermediários ou produto final, transporte e logística de substância tóxicas e/ou inflamáveis requerem, por parte do empreendedor, uma postura mais objetiva quanto às atividades e procedimentos relacionados a estas substâncias.

 

INSPEÇÕES DE SEGURANÇA 

 A inspeção de risco é a parte do controle de riscos que consiste em efetuar vistorias nas áreas e meios de trabalho, com o objetivo de descobrir e corrigir situações que comprometam a segurança dos trabalhadores. Como sabemos, o acidente é a consequência de diversos fatores que, combinados, favorecem a ocorrência do mesmo. Assim, a inspeção de risco ou de segurança é uma vistoria técnica feita nos locais de trabalho, áreas externas e instalações, observando os riscos existentes no ambiente, exemplo: falta de protetores em máquinas, protetores danificados, funcionando mal ou mal usados, desordem, desarrumação, disposição de materiais de maneira perigosa, uso de equipamentos de forma insegura, falta ou uso inadequado de equipamentos de proteção individual (EPI), falta ou uso inadequado de equipamentos de proteção coletiva (EPC), etc.

 

ADEQUAÇÃO À NR 32

As normas da ANVISA, do Ministério do Trabalho e do Ministério do Meio Ambiente para os trabalhadores da área da saúde representam um grande salto na prevenção e controle e proteção destes valorosos colaboradores que estavam desprotegidos e que agora entram verdadeiramente no mundo da PROTEÇÃO.


Esclarecemos aqui que, essa norma não se refere, apenas, aos profissionais da saúde mas sim, a TODOS OS PROFISSIONAIS QUE TRABALHAM EM ESTABELECIMENTOS PROMOÇÃO A SAÚDE. Essa visão integrada é uma das ferramentas fundamentais em prol da sustentabilidade do setor da SAÚDE e de todo nosso planeta.

A NR-32 é a norma que estabelece as ações de segurança e saúde no trabalho em ambientes de saúde. A adequabilidade a norma se baseia na elaboração de programas de segurança, capacitação e treinamento.

 

Requisitos mínimos para atender a norma:

 

Treinamento Específico da NR32;

Treinamento de Biossegurança;

Manual de Biossegurança;

Programa de gerenciamento de resíduos sólidos de saúde (PGRSS);

PPRA e PCMSO formatado conforme as exigências da NR32.